Resenha: Meu Jeito certo de Fazer tudo errado (★★★★★)

Oioi pessoal, tudo bem??

Hoje tem resenha de um livro muito lindinho e mais infantojuvenil. Bem no estilo de um livro da Thalita que foi resenhado ano passado.

Para acompanhar o post por áudio, é só clicar no player abaixo :) Vamos lá?!




Título: Meu Jeito certo de Fazer tudo errado
Autoras: Klara Castanho e Luiza Trigo
Editora: Arqueiro
Páginas: 377
Classificação: (★★)


O livro conta a história de Giovanna, uma menina que morava em Campinas, interior de SP, e sempre se sentiu deslocada. Gostava de rock, tinha seu próprio estilo e seus únicos amigos eram seus primos. Até que a empresa de modelos de seus pais começa a crescer e eles acabam se mudando pra capital.



Nanna, como ela gosta de ser chamada, se sentiu meio traída pois não levaram muito em conta a sua opinião. Mas a garota acaba sendo "comprada" por seu quarto novo, um cachorrinho de estimação e uma possibilidade de mudança. Logo na primeira vez que ela vai à escola para comprar o uniforme, percebe que existem, sim, pessoas do seu estilo e já não se sente mais tão deslocada - ela se depara com um garoto com piercings e que aparenta curtir as mesmas coisas que ela.



Quando percebe, ela já deixou a birra por ter saído de Campinas de lado e já está animada com o primeiro dia de aula. Assim que chega na escola, descobre que o garoto que tinha visto na primeira vez estudava em sua sala e se chamava Miguel. De início, Nanna faz amizade com Giselle, uma menina calma, que vive lendo e logo fala que o Miguel é encrenca.

Era só o cara me dar o mínimo de atenção que eu já estava toda encantada. Somando a isso, ele tinha um estilo que me atraía: as calças rasgadas, os cintos de tachas, os gorros iguais aos meus e, principalmente, os piercings.

Alguns dias se passam e a Manu chega de viagem. A famosa "garota popular" do ensino médio que tem que estar presente. Ela fala com a Nanna e acaba apresentando ela para o seu grupo de amigos - pessoas que já tinham tratado a novata com desdém, mas como a Manu gostou, mudam.



Giselle não gosta nada da aproximação da Manu, ela já fala pra Nanna que não vai ser amiga dela se ela se relacionar com o grupinho dos populares por já ter tido um problema antigo com a líder. Nossa protagonista, indecisa, acaba optando pela amizade do grupo. Por sempre ter tido dificuldade pra fazer amigos, estar em um grupo com 5 deles parece ser irresistível, além de que um deles é o Miguel.



O livro aborda muitos pontos interessantes de serem citados e observados na adolescência. Assim que Nanna escolhe entrar no grupo, ela começa a fazer algumas mudanças pra se sentir mais aceita. E isso envolve uma mudança no visual, algumas mentiras, bebidas e até cigarro. A forma como as coisas se desenvolveram foi muito natural. Percebemos o sentimento de exclusão, a pressão e ela cedendo.

Mudar é bom, mas assusta.

Outro personagem importante que entra é o Henrique. Vizinho da Nanna que costuma passear com seu cachorro na mesma hora que ela passeia com o dela. Desses encontros surge uma amizade muito sincera. É ele que escuta os dilemas da garota e que fala algumas verdades.



Nanna agora tem que lidar com algumas encrencas que ela acaba entrando pra se sentir mais parte do grupo, com a namorada ciumenta do Henrique e com alguns sinais de interesse que o Miguel dá.

Apesar do enredo ser leve e até meio bobinho, o livro mostra muito bem a relação dos filhos com os pais: quando é preciso segurar as rédeas e o momento certo de soltá-las. Observamos que o comportamento sem limites e meio manipulador da Manu vem de casa. Filha de pais ricos, ausentes e que só se preocupam em se divertir. Percebemos o amadurecimento da protagonista e acompanhamos vários dilemas do tipo "ficar em casa e respeitar meus pais ou sair escondida?", "Henrique ou Miguel?", "Giselle ou Manu?".



O livro é narrado em primeira pessoa e a arte está linda! Cada capítulo mostra uma roupa ou algo relacionado ao que vai acontecer. Muito legal a ideia, pois assim temos uma visualização mais palpável da situação.

O desfecho foi muito bem construído, acredito que não poderia ter sido melhor. É um livro lindo de ser lido com grandes lições de moral. Indispensável pra garotas entre os seus 10-14 anos.

O mais importante foi aprender que nada vale a pena se não podemos ser nós mesmos. Não adianta tentarmos agradar aos outros e sermos infelizes por não nos agradarmos. Amizade verdadeira é quando gostamos do outro do jeito que ele é, apesar das suas falhas e defeitos, apesar de não ter os gostos parecidos com os nossos, apenas pelo simples fato de gostar da companhia do outro.

Espero que tenham gostado!
XOXO

Me acompanhe: Instagram ♥ Facebook ♥ Canal ♥ Snap: Nati_chanoski

Nenhum comentário:

Postar um comentário